O percentual é baixo, cerca de 4%, mas nos casos em que reaparece a dificuldade de enxergar, geralmente a partir de 0,75 graus, é possível se refazer, sem problemas, a cirurgia a laser para a correção de miopia, astigmatismo ou hipermetropia. É claro que tudo vai depender dos exames pré-operatórios que deverão ser refeitos para que o oftalmologista saiba com precisão a espessura e topografia da córnea, grau do olho e pressão ocular, entre outros.

“O procedimento é igual ao anterior, bastando que os resultados do diagnóstico permitam a reoperação”, esclarece Dr. Fernando Tarcha, diretor da Laser Ocular ABC. “Não importa, inclusive, se a cirurgia foi feita com bisturi”, completa. Quando a pessoa já operou com laser, a tendência, segundo Tarcha, é que se repita a técnica usada no primeiro tratamento, ou seja, PRK ou Lasik.

As reoperações são feitas na própria Laser Ocular ABC, que recebe também um grande número de casos em que a primeira cirurgia foi feita em outras clínicas. A causa da volta do grau ao olho operado normalmente se dá pela modificação natural dos tecidos do corpo humano, o que inclui as córneas, e também pode ser induzida pela má lubrificação ocular. “Este é um dos fatores que as pessoas devem ter em mente para visitarem o oftalmologista regularmente”, finaliza o médico.

Agende pelo WhatsApp