Blog

Cuidamos Da Sua Visão – Hora da Consulta

Dificuldade para ler é motivo suficiente para irmos ao oftalmologista. Pena, mas só nós lembramos dele quando deixamos de enxergar direito. É, justamente, na visita de rotina, aquela sem queixa aparente, que se pode detectar problemas em estágio precoce. A freqüência ao consultório depende do perfil de cada um, entretanto, após os 40 anos as visitas devem ser anuais.

 

Verificando a Saúde dos Olhos

Detecção Computadorizada: o equipamento de auto-refração indica a existência de miopia, hipermetropia ou astigmatismo e qual o grau.

Exame Externo: com uma lanterna o médico pode verificar a parte externa do olho, perceber sinais de estrabismo e checar a visão periférica. Movendo-a de um lado para outro, ele confere se os olhos estão se mexendo dequadamente. As pupilas devem se contrair rapidamente quando se incide o feixe de luz.

Leitura: com um oclusor, o oftalmologista tapa um dos olhos enquanto tenta-se ler variadas letras. Assim, o médico vê como cada lado enxerga de perto e de longe.

Córnea: aparelhos específicos medem a curvatura e a espessura da córnea, importantes para a receita de lentes de contato e cirurgia de correção de grau a laser.

Grau Preciso: com o refrator computadorizado e a colaboração do paciente, chega-se à gradação exata.

Imagem Ampliada: após a dilatação das pupilas, com um sistema especial de iluminação acoplado a um microscópio, é possível ao médico checar a córnea, o cristalino, a íris e outras estruturas da área anterior dos olhos.

Pressão Interna: uma lâmpada azul acoplada a um aparelho chamado biomicroscópio encosta no globo e determina a pressão em seu interior.

Grande Final: com o feixe de luz do oftalmoscópio, examina-se o fundo dos olhos, analisando o estado dos vasos sanguíneos, da retina e do nervo ótico.